Logo

Agência Sergipe
de Notícias

Notícia

Acesso à terra é uma realidade para mais 39 famílias do Alto Sertão sergipano

Os agricultores tiveram acesso ao crédito para compra da propriedade Barra da Varginha, com 454,54 hectares, e estão recebendo recursos não reembolsáveis para implementar as primeiras atividades produtivas e receber assistência técnica
29 de Setembro de 2016 | 18:50

Por Ednilson Barbosa, da Seagri

 

Pequenos agricultores de 39 famílias do povoado Araticum, município de Porto da Folha tiveram acesso ao crédito para compra da propriedade Barra da Varginha, com 454,54 hectares, e estão recebendo recursos não reembolsáveis para implementar as primeiras atividades produtivas e receber assistência técnica. Ao todo, estão sendo investidos R$ 3,030 milhões do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF) executado numa parceria entre o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado da Agricultura (Seagri), e o Governo Federal.

Na quinta feira, 29, os agricultores familiares da Barra da Varginha receberam a visita do secretário de Estado da Agricultura, Esmeraldo Leal, e equipe técnica, que foram acompanhar os investimentos já realizados e discutir novas ações.  A equipe do governo constatou que, três meses após a liberação da primeira parcela dos investimentos, no valor de R$ R$ 459.802,80, eles melhoraram estradas, construíram tanques, cercaram os lotes destinados à pecuária, prepararam a terra para semear o capim e já cultivaram a Palma Forrageira.

O secretário da Agricultura demonstrou estar feliz por constatar de perto o quanto os agricultores estão satisfeitos e motivados para cuidar das terras que agora são donos. Ele disse que os números dos investimentos são expressivos, mas o mais importante é ver a conquista da terra acontecer pela união e organização dos agricultores e pela ação do Estado, que mostra sua força na realização da política de acesso à terra.

Esmeraldo Leal motivou os agricultores a continuarem unidos e valorizando a terra privilegiada que adquiriram, com grande potencial para a pecuária e para a agricultura às margens do Rio São Francisco. “Isto serve de exemplo para outros grupos que pretendem comprar a terra coletivamente com os recursos públicos. O programa está aberto e os interessados devem procurar a unidade técnica do PNCF na Secretaria de Estado da Agricultura”, disse o secretário.

Pecuária Leiteira

A pecuária é a principal atividade produtiva no assentamento Barra da Varginha. Os assentados estão recebendo assistência técnica particular, prevista no projeto, que orientam para um conjunto de ações como construção de tanques escavados em todos os lotes, plantio de palma e capim, que permitirão avançar na pecuária leiteira. Segundo os técnicos, o projeto tem tudo para dar certo, pois os agricultores já desenvolvem a pecuária. Além disso, o potencial do Alto Sertão é enorme em relação à bacia leiteira, o que leva o assentamento a já nascer com essa aptidão.

O assentado José Avelano é exemplo dos que lidam com a pecuária desde jovem. Ele tem duas vacas com dois garrotes e está produzindo 13 litros de leite cada. Agora, ele trabalha para ampliar o rebanho e iniciar a criação de ovinos. Conta, inclusive, que ampliou com recursos próprios de três para seis os fios de arames da cerca prevendo a criação. “Com o dinheiro do projeto ,já plantamos a palma, preparamos outra parte da terra para espalhar semente de capim. Quando a chuva chegar estaremos com dois tanques, um pequeno feito por minha conta outro maior com 18 horas de trator feito com dinheiro do Governo”, acrescentou Avelano.

Benefícios

O coordenador da Unidade Técnica do Crédito Fundiário, Sérgio Santana, detalhou que neste assentamento Barra da Varginha além dos tanques construídos em todos os lotes, as famílias estão recebendo coletivamente investimentos não reembolsáveis para a construção de 15,60 km de cerca para divisão das áreas produtivas com agricultura e pecuária, serviço de mecanização e plantio de 53 hectares de pastagem, 156 sacos de sementes de capim buffel, serviço de mecanização e plantio de 39 hectares de palma forrageira, além de capacitação e assistência técnica.

Sérgio acrescenta que, assim que prestarem contas dos recursos desta primeira etapa estarão aptos a receberem recursos para a construção de 39 casas que formará a agrovila do assentamento, com previsão de investimento de R$ 693.697,08.

“Para incrementar as atividades produtivas, os beneficiários do Crédito Fundiário têm acesso ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf A) e a outros programas sociais como o Programa de Aquisição de Alimentos, Garantia Safra e outras linhas do Pronaf, além de políticas de acesso a mercado e preços mínimos”, explica Sergio.

 

  • Medium 0f24ecda7f09cc51898c5db79f76e57b
  • Medium aa121a7b9e73efbeb88f6a78ff2d7059
  • Medium 6d6d64d9e9de89e0028c1b7a470f4753
  • Medium 67810c8603054762f6f8b3dd1070938f
  • Medium 13bb829f5ae0e7a7e24f550b74945e24
  • Medium 5c5db24a9ef112649bc650672bb126e1
Medium 0f24ecda7f09cc51898c5db79f76e57bMedium aa121a7b9e73efbeb88f6a78ff2d7059Medium 6d6d64d9e9de89e0028c1b7a470f4753Medium 67810c8603054762f6f8b3dd1070938fMedium 13bb829f5ae0e7a7e24f550b74945e24Medium 5c5db24a9ef112649bc650672bb126e1