Logo

Agência Sergipe
de Notícias

Notícia

Equipe estadual de Saúde faz diagnóstico de hospitais regionais

Um grupo de profissionais da Secretaria de Estado da Saúde (SES), responsável pela Atenção Hospitalar, e uma equipe de médicos especializados visitaram na manhã desta segunda-feira, 5, o Hospital Regional José Franco, em Nossa Senhora do Socorro.
05 de Março de 2007 | 01:40

Um grupo de profissionais da Secretaria de Estado da Saúde (SES), responsável pela Atenção Hospitalar, e uma equipe de médicos especializados visitaram na manhã desta segunda-feira, 5, o Hospital Regional José Franco, em Nossa Senhora do Socorro. A visita, comandada pelo coordenador da Rede Hospitalar de Sergipe, Gilberto Santos, faz parte do programa de formação de gestores e avaliação do serviço de saúde que a Secretaria está realizando em todo o Estado.

"No momento, estão sendo feitos a coleta de dados e o diagnóstico que embasarão a implementação de diretrizes que dêem mais precisão e resolubilidade a esses hospitais", explica Gilberto Santos. Na tarde desta segunda-feira, todos devem conhecer a rotina de trabalho das unidades hospitalares de Estância e Itabaiana. Nesta terça-feira, 6, será a vez de Nossa Senhora da Glória e Propriá. O Hospital Geral (HGJAF), em Aracaju, também está incluso no roteiro de supervisão de estabelecimentos de saúde.

A avaliação dos hospitais regionais inclui aspectos como processos de trabalho, sistemas de informação e regulação, gestão de pessoas e análise de recursos, entre outros. Nos dias 7 e 8, quarta e quinta-feira, todos os dirigentes do Hospital Geral e gestores da Atenção Hospitalar da SES vão participar de uma oficina no próprio HGJAF para debater o modelo assistencial da unidade.

"Temos o objetivo de mudar não apenas o perfil dos dirigentes, mas principalmente o perfil de atendimento que a Secretaria vai instituir no Hospital Geral. Vamos iniciar um processo de acumulação de inteligência que permanecerá no Estado", disse o coordenador Gilberto Santos. "O que acontece nos hospitais regionais tem impacto no Hospital Geral e vice-versa. Por isso, é necessário integrar todo o conhecimento técnico para construir uma equipe coesa", afirmou.

Fotos: Márcio Garcez/Saúde

  
  • Medium 7463756871829e531137afe1dd9b23cc
  • Medium 599fae90c6591f5d2ef2440d847c19ff
  • Medium 0c5f1ebc6b285a910865bdde9a38d3da
  • Medium a2465eb163cd1b18581e4d6ca2370296
Medium 7463756871829e531137afe1dd9b23ccMedium 599fae90c6591f5d2ef2440d847c19ffMedium 0c5f1ebc6b285a910865bdde9a38d3daMedium a2465eb163cd1b18581e4d6ca2370296